Crudelis meditatio: marcas, perversão e trauma

Cesar Louis Kiraly

Resumo


Este ensaio constitui argumentos para uma filosofia da marca e da perversão. Propomos que o conceito de marca seja tomado como ferramenta criativa para auxiliar na interpretação psicanalítica, social e política de questões relacionadas ao trauma e a perversão. Optamos pela propositura de uma imagem conceitual fragmentária, pois entendemos que evitando regime explicativo amplo e sistemático, preservamos a possibilidade de diálogo entre conceito e poética. Julgamos que a preservação do diálogo entre conceito e poética é relevante, senão para todas as disciplinas, pelo menos para a psicanálise e para a filosofia. Por isso, devemos dizer: o conceito de marca, tal como o enunciamos, altera um pouco a maneira como fazemos psicanálise. No sentido de que torna explícito, nas práticas da psicanálise, o uso moral da perversão, ao mesmo tempo em que indica o núcleo criativo dos enunciados freudianos sobre a temática.

Para ler este artigo na íntegra, clique aqui.


Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários